Author: Flavia Bruno

Doutora, Mestre e Graduada em Filosofia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Graduada em Psicologia pela Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ). Professora Adjunto da Universidade Candido Mendes e da Faculdade São Bento do Rio de Janeiro.profabruno@gmail.com.
Sobre o Balcão de Jean Genet
|

Sobre o Balcão de Jean Genet

O texto de Jean Genet “O Balcão” trata da alma humana em seus interstícios mais profundos e multifacetados, em seu funcionamento fora de sua superficialidade aparente. Ao longo de toda tradição metafísica clássica a alma é considerada o mais “divino” no homem e, portanto, seu funcionamento, bem como suas expressões, circunscreve-se em um diminuto aparecer,…

 A lição de La Boétie em seu “Discurso da Servidão voluntária” – Parte 2
| |

 A lição de La Boétie em seu “Discurso da Servidão voluntária” – Parte 2

Os tiranetes e a Lei Como consequência ainda mais nefasta para essa relação de tirania em escala, é o fato desses tiranetes não serem os fora-da-lei da sociedade, mas ao contrário, serem precisamente aqueles que criam a lei. Ora, é a lei que deve dirigir e obrigar a ação humana, o que torna os tiranetes…

Por que escolhemos a escravidão? – Parte 1
| | |

Por que escolhemos a escravidão? – Parte 1

Resumo Um dos paradoxos da filosofia política é a servidão voluntária. À primeira visto isso parece uma aberração, porque tanto o bom senso quanto a razão rejeitariam de plano a ideia de associar servidão e vontade, posto que a tradição política clássica sempre associou liberdade e vontade. Segundo esta tradição, escolher algo voluntariamente seria exatamente…

A lição de Barbara Cassin sobre a doxografia
| |

A lição de Barbara Cassin sobre a doxografia

Introdução Barbara Cassin, em sua obra Jacques, o sofista: Lacan, logos e psicanálise escreve um capítulo em que trata do problema da doxografia grega. Este tema, por si só, merece a atenção de todo e qualquer estudante de filosofia, posto que a maior parte do pensamento dos primeiros filósofos só se conservou por meio do…

Por um pensamento que supere a autoadulação
| |

Por um pensamento que supere a autoadulação

Há um paradigma fundamental amplamente disseminado e reproduzido pelo senso comum que remete a um momento específico da história do pensamento – a modernidade, e a consequente visão de mundo que daí se originou. O século XVII marca o momento da emancipação da razão, que se torna autônoma e audaciosa (o sapere aude), como diz…

6 Lições para a filosofia de Nietzsche – parte 6
| |

6 Lições para a filosofia de Nietzsche – parte 6

Nietzsche: Vontade de potência e vontade de arte   Para Nietzsche, a vontade de potência é o afeto originário da vida. Diz ele: “onde encontrei o vivente, aí encontrei vontade de poder” (2008a, 582). Essa vontade não é cobiça, desejo, aspiração; também não é a tendência a deter-se em uma posição já conquistada ou que…

Um delírio de aniquilação mascarado de salvação
| |

Um delírio de aniquilação mascarado de salvação

Sartre, em seu texto A questão judaica, aponta uma questão fundamental dos nossos dias: o respeito e o valor dado à opinião. Sabemos, desde os gregos, que a opinião é fruto do modelo do poder democrático, da falência da forma eficaz de dizer. A chamada palavra eficaz só pode ser assim considerada em razão de…

6 Lições para a filosofia de Nietzsche – parte 4
| |

6 Lições para a filosofia de Nietzsche – parte 4

Nietzsche: Para lutar contra o cansaço da vida    1 O Niilismo como projeto de aniquilação do homem O homem que vive sob o domínio do niilismo é o homem do autoengano. Para ele, mudança e bem-estar excluem-se e o estranho caminho para a felicidade se torna o caminho da unidade, do mundo permanente, do…

6 Lições para a filosofia de Nietzsche – parte 3
| |

6 Lições para a filosofia de Nietzsche – parte 3

Nietzsche: A verdade como satisfação moral   Tradicionalmente considera-se um enunciamento verdadeiro quando ele se adequa ao mundo, isto é, quando o real é assimilado pelo discurso e, em contrapartida, o discurso reproduz o mundo. Ocorre que, para desencantamento da epistemologia, Nietzsche diz que quando um filósofo ou um cientista estabelece uma verdade, isto não…

6 Lições para a filosofia de Nietzsche – parte 2
| |

6 Lições para a filosofia de Nietzsche – parte 2

Nietzsche: O caráter superficial do intelecto   5 O caráter superficial do intelecto A prática do conhecimento inicia-se, pois, com a criação do conceito. Como se dá essa prática? O conceito, a definição, o nome geral é criado quando os traços individuais são abandonados em favor de um traço geral, ou em outras palavras, a…

6 Lições para a filosofia de Nietzsche – parte 1
| |

6 Lições para a filosofia de Nietzsche – parte 1

Cosmos e Contexto irá publicar o curso sobre Nietzsche de Flavia Bruno. Ele será dividido em seis partes intercalados por três semanas.   Nietzsche: vontade de verdade e niilismo   1 Apresentação Creio que quando se estuda Nietzsche, qualquer que seja o tema, são válidas as palavras ditas por ele no prefácio do O anticristo….

Autoadulação
| |

Autoadulação

Quando se olha para a história da filosofia, embora existam muitas escolas e formas de pensar diversas, é possível perceber (com a maior facilidade) que há um modo de pensar predominante, vitorioso, que estabelece como que uma direção geral do ato de pensar e um modo de compreender o que seja a filosofia. Por outro…