AFECTOESFERA: O giro epistêmico da porta bandeira e mestre sala no espaço racial